Quem é Agatha Manuela? (Parte I)



Olá queridas leitoras, vim apresentar-me a vocês! Chamo-me Agatha Manuela, tenho 20 aninhos e estou tendo a honra de fazer parte da equipe de colunistas do blog. Antes de começar a escrever meus posts, resolvi falar um pouco sobra mim para que possamos nos conhecer melhor...

Nem sempre tive tudo o que quis, minha infância foi um período bem difícil, meus pais sempre me amaram, eu era uma boa filha, mas por nós sermos uma família que não tinha Jesus, sofri muito. Meu pai era viciado no álcool, brigava muito com minha mãe, chegavam a agredir um ao outro na minha frente. Eu sofria muito ao ver que meus pais tinham um casamento destruído. Era uma criança complexada, minha mãe sempre estava muito ocupada com o trabalho e nunca tinha tempo pra mim. Em reunião de pais e mestres na escola eu sempre era elogiada, recebia premiações por ser a melhor aluna, mas pra mim não adiantava, meus pais nunca estavam presentes.

Eles divorciaram-se quando eu tinha 6 anos de idade, continuei morando com minha mãe e logo ganhei um padrasto. Vivi com mágoa do meu pai durante alguns anos.

Morando com minha mãe tive logo que amadurecer. Ficava o dia sozinha tomando conta da casa, pois ela e meu padrasto tinham que trabalhar. Morávamos em uma área da periferia de Belém, onde muitas coisas ruins me eram apresentadas. Mas sempre fui uma menina muito madura para minha idade, eu sabia que não devia ser influenciada pelo lugar em que eu morava.

Aos 7 anos, eu fazia minhas refeições, ia pra a escola, fazia meus trabalhos, cuidava da casa, tudo sem que ninguém mandasse ou me ensinasse. Quando minha mãe voltava pra casa, tudo estava no seu devido lugar...

Eu parecia estar bem, mas na verdade não. Tinha magoas do meu pai, via vultos, ouvia vozes, tinha medo de ficar só e não tinha atenção nenhuma da minha mãe. Fiquei por muito tempo sem notícias do meu pai. Quando o reencontrei, ele já era outro homem! Ele conheceu o trabalho da Universal e conseguiu libertar-se dos vícios. Mais eu ainda tinha raiva dele pelo passado de sofrimento que ele havia causado à minha mãe.

Ela passou por dificuldades financeiras, o que a fez entregar minha tutela ao meu pai aos 10 anos de idade. Foi aí que comecei a frequentar a Universal junto com ele, então eu vi que a transformação do meu pai era realmente verdadeira. Eu nunca havia conhecido um lugar como aquele...

Minha mãe superou os problemas financeiros, mas eu não quis voltar porque com meu pai eu poderia continuar indo à igreja, com minha mãe não.

Superei meus complexos de inferioridade, perdoei meu pai, aprendi a usar a fé racional e comecei a lutar para ajudar minha mãe, pois ela sofria no casamento com as traições do meu padrasto e o maldito vício do alcoolismo. Mas eu estava longe, só podia orar por ela e convidá-la para ir a uma reunião comigo, mas eu era apenas uma criança de 10 anos, ela não me levava a sério.

Então eu fiz uma oração que decidiria a vida da minha mãe. Eu tinha cansado de vê-la sofrer. Falei pra Deus: “Não quero mais ver minha mãe sofrendo, o Senhor tem duas alternativas, ou converte, ou mata! Mate minha mãe e a salve. Mas com essa vida ela não vai mais continuar. Mas só tem uma condição, eu nunca mais a convido para participar de reunião alguma. Se um dia ela for, ela terá que me convidar para acompanhá-la!”

Lembrando agora dessa oração, eu vejo que parecia uma louca aos 11 anos fazendo esse tipo de oração à Deus (rsrs). Mas tenho certeza que consegui chamar atenção d’Ele nesse dia. Ele agradou-se justamente dessa fé que me possuía ao ponto de colocá-lo na parede e cobrar resposta! Ele tinha que me honrar! Está escrito, eu honro os que me honram. E aconteceu exatamente como eu pedi. Em um dos fins de semana que fui visitá-la, ela confessou que precisava de ajuda e que gostaria de ir a uma reunião comigo.  Logo eu me lembrei da oração que havia feito há um tempo e agradeci a Deus.

Minha mãe nunca mais deixou de ir e começou a libertar-se de todo mal. O problema agora era meu padrasto, ele não gostava da igreja, odiava os pastores. Agora essa era a guerra dela! E todos os fins de semana que eu visitava minha mãe, eu a ensinava um pouco mais sobre a fé e sobre como ser uma mulher de Deus. Sim, sim, agora ela me dava ouvidos! Como pode né gente? Eu com 13 anos ensinando minha mãe...
Em uma das vezes que eu fui à casa de minha mãe, meu padrasto tentou me aliciar. Foi um dos momentos mais difíceis que já passei. Quando contei pra minha mãe, imediatamente ela decidiu separar-se dele, foi a gota d’água.

Com 13 anos eu já era educadora da E.B.I. e aos 14 fui consagrada a obreira. Minha mãe ficou morando sozinha e permaneceu nos caminhos da fé. Hoje ela mora no MT e faz a obra lá. Meu pai foi consagrado a obreiro logo depois de mim e casou-se com uma obreira. Felicidade maior eu não tinha tido... Finalmente uma família abençoada e feliz na presença de Deus servindo ao Senhor! Sem mágoas, sem rancor, sem ressentimento, sem traumas do passado difícil... Meu padrasto infelizmente não nos deu ouvidos, envolveu-se com o mundo, fugiu para o interior da cidade para não ser assassinado, mas em um acidente de moto, veio a óbito no começo de 2014.

Agora vocês já conhecem boa parte da minha vida! Muito ainda tenho a contar pra vocês sobre minha caminhada na fé e os desafios de servir a Deus. Agora eu até me sinto amiga íntima de vocês... (rsrs^^)

Esta semana começarei com os temas "O Valor de uma Mulher" é o próximo tema. Temos um encontro marcado todas as quartas-feiras!

Obrigada por terem lido até o final! Tenho certeza que algo você aprendeu hoje. Escreva seu comentário sobre o que você achou de minha história ou algo que tenha lhe chamado atenção. Aguardo vocês hein! Haa e os meninos também podem comentar. ^^




3 comentários:

  1. Muito forte seu Testemunho....que seja para muitas pessoas tirar exemplos de tudo que vc passou!!!

    ResponderExcluir
  2. Nossa, gostei muito do que li , realmente um grande testemunho!!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns! Agatha não tem como esconder, as lutas que vc enfrentou com os seus Pais.
    Mais por conta da sua fé e perseverança, vc alcançou a transformação da sua família, que vc seja sempre esse exemplo de mulher de Deus.

    ResponderExcluir